Quem ama prova que ama




Cada um tem o seu jeito de presentear alguém. Eu escrevo cartas. Não gosto de comprar presentes, muito menos de comprar cartões com mensagens, antes prefiro eu mesmo escrever um cartão dizendo exatamente aquilo que sinto. Quando quero representar o meu amor por alguém eu escrevo; escrevo sobre os momentos que tivemos juntos em minuciosos detalhes, e tento assim imortalizar aquelas lembranças em forma de textos. Essa é a minha forma de expressar amor. Uns abraçam, outros dão presentes, outros convidam para comer, outros cantam serenatas, outros falam, enfim, cada um é cada um e tem a sua própria maneira de expressar amor. Eu escrevo cartas. E ao escrever uma, entendi um pouco mais a respeito do amor de Deus, e gostaria de compartilhar o que descobri.

Já faz um tempo gostava de uma garota, e queria que ela soubesse disso, portanto pus-me a escrever uma carta. Mas não queria que essa carta fosse apenas mais uma, queria que ela fosse especial. Queria que fosse a carta mais pessoal e mais bem escrita, e que nela estivesse registrado cada sentimento bonito que Deus colocara em mim, mas de tal maneira que ao ser aberta, a carta falasse por si mesma, e, como que se lesse a si mesma, narrasse o texto em voz alta. Assim pessoal e perfeita queria ela. Na verdade eu desejava mais: gostaria de que a carta tivesse um pedaço meu, para que quem a lesse pudesse entender a profundidade e seriedade das minhas palavras. Então pensei comigo mesmo, “acho que para essa mensagem ser mais íntima e ter a capacidade de transmitir exatamente o que sinto, deveria escrevê-la em sangue, assim o texto não só seria uma mensagem minha para fulana de tal, mas sim um pedaço de mim dado como prova de amor, afinal, que maior prova de amor do que doar-se a si mesmo?”

Esta foi a minha conclusão: “Se ao invés de tinta preta fosse o meu sangue escrevendo a carta, talvez ela entendesse que eu estou falando sério!” E assim, naquele mesmo momento meus braços caíram, minha boca se abriu, meu coração disparou e eu entendi: “Este é o sangue do testamento que Deus vos tem mandado”, de Hebreus 9:20. “Mas é claro!”, pensei, “Jesus escreveu o testamento da salvação com seu próprio sangue. Quão profundo é o amor de Deus por nós!”
“Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” – Mateus 26:28. É como que se em letras de sangue Ele escrevesse, “Eu vos perdoo; arrependam-se e creiam em mim”. Deus tinha se dado a nós como presente. Ele não prometeu coisas, Ele prometeu a si mesmo. Ele não nos deu tesouros, Ele Se deu a nós. Ele não mandaria uma mensagem que nos libertaria do opressor, Ele deu um pedaço de si mesmo para nos libertar. O Pai deu o seu tesouro mais precioso e a parte de si mesmo mais íntima: O Filho e o Espírito. Nas outras religiões você vê deuses prometendo recompensas monetárias e prazeres carnais, já no Deus de Abraão, Isaque e Jacó, a promessa é Ele mesmo. A promessa é “Deus ser tudo em todos”, é ser “filho de Deus, possuir o Espírito de Deus e a mente de Deus”, e assim “viver com Deus, para Deus e por Deus para todo o sempre”. Jesus nos escreveu com o seu sangue uma carta dizendo isso. Quão mais pessoal poderia ser isso?

Um Deus que não precisa de nada, que se esvazia de sua glória e se torna homem, para que, sendo humilhado e morto nas mãos de homens maus, possa trazer reconciliação, esperança, vida e perdão a seres que nada disso quiseram, só pode estar louco. Isso é loucura! Nas outras religiões são homens que oferecem sacrifícios a Deus para buscar reconciliação, mas na religião que o nosso Senhor nos deu, é Deus que oferece um sacrifício, a saber, Seu próprio Filho, para buscar reconciliação. Em outras religiões os homens buscam a Deus, na religião do nosso Deus, é Ele que busca os homens.

Deus nos ama, e isso não é a Bíblia que diz, mas é o sangue de Cristo que tem clamado através dos séculos. Não podendo jurar por ninguém maior, Ele jurou por si mesmo, pelo Seu próprio nome que nos salvaria. Não possuindo nada de mais íntimo e pessoal a doar, doou Seu próprio Filho, uma parte de si. Não tendo nada mais valioso com que nos presentear, presenteou-nos com Seu Espírito, outra parte de si. Não havendo maior e melhor promessa a se fazer, prometeu nos adotar como filhos. E não podendo ser mais misericordioso, jurou nos perdoar e redimir da cova, por causa de Seu Filho e através de Seu Espírito, e assim, nos fazer habitar com Ele para sempre.

Deus nos perdoa, e isso quem afirma não sou eu, mas é a morte e ressurreição do Messias que testifica. E creio que aqui chego num ponto crucial do plano de salvação, e que infelizmente, passe quase que completamente despercebido: O amor de Deus é incondicional mas a salvação não. Deus nos ama e ponto! Ele decidiu cuidar para que nós tivéssemos uma segunda chance, e isso não vem da nossa parte, é dom de Deus, é graça dEle; ponto! Deus quis nos amar e por isso nos amou, não há mérito nosso. O amor de Deus é assim, incondicional. Mas o fato de Deus ter nos amado não significa que automaticamente Ele nos perdoa. Por mais que um juiz ame seu filho, se esse filho cometer um crime, ele deve ser sentenciado à prisão. Justiça deve ser feita. O amor não pode passar por cima da justiça, se não seria iníquo.
Acabamos esquecendo que, enquanto o amor de Deus é incondicional, o perdão é condicional. Deus estipulou duas condições para que nós fossemos perdoados: (1) Arrependimento e (2) perdoar todos aqueles que nos ofendem. Sem arrependimento genuíno não pode haver perdão. Veja bem, não é peso na consciência, é arrependimento. Arrepender-se é ter nojo do que fez e propor-se a nunca mais tornar a fazê-lo, e não sentir-se mal por ter feito algo de errado. Arrependimento é muito mais do que um incômodo moral. De acordo com a Bíblia, arrepender-se é ter nojo e vergonha do passado e das iniquidades cometidas, e assim sendo, buscar ser uma pessoa nova; não uma pessoa melhor, mas uma pessoa nova. O homem que não se arrepende de verdade não é perdoado por Deus.

A segunda condição é, como Jesus nos ensinou na oração do Pai nosso, perdoar aqueles que nos ofendem, de outra forma, não podemos ter o perdão de Deus. Muitos param na condição número 1: Arrependimento. Mas não acaba por aí. Ainda falta perdoar todos aqueles que nos ofendem, ofenderam e ofenderão. Você deve perdoar, e perdoar é fazer como Deus fez, sofrer o dano e abrir mão do direito de retribuição. Quem perdoa, desiste do direito que tem sobre o agressor de puni-lo. Quem perdoa, popularmente falado, engoli o sapo e pago o pato, só para o outro não se ferrar. Perdoar dói. Custa muito. Para Deus custou sangue. Para nós custa orgulho. Mas se você não perdoar você não será perdoado. Perdoe sua mãe, seu pai, seus irmãos, seus agressores, seus inimigos, etc., abra mão de fazê-los sofrer também, e ao invés de pagar com a mesma moeda, faça como Jesus ensinou, pague o mal com o bem; abençoa quem te maldiz e ora por quem te persegue. Assim fazendo vais te tornar filho do Altíssimo. E se assim não fizer, o perdão não o será concedido.

Portanto, quem se arrepende, crê e perdoa, também é perdoado, redimido e adotado. Pois Deus nos ama tanto, mais tanto, de uma tal maneira, que Ele escreveu o testamento da nossa salvação com sangue, e não tinta, assim como eu queria ter feito para expressar meus sentimentos por aquela menina. Então já que Deus te ama tanto, busque-o, e assim que Ele se fizer presente para você, viva com Ele, para Ele e através d'Ele em gratidão para o resto da sua vida servindo os outros.

Guilherme Adriano

Comentários

Débora disse…
QUE LINDO TEXTO! MAIS UMA VEZ ME EMOCIONO COM SUAS PALAVRAS. VERDADEIRAMENTE O AMOR DE DEUS É ELE PRÓPRIO. SEM ELE NADA, NEM NINGUÉM TEM SALVAÇÃO. DEUS ABENÇOE GUILHERME.

DÉBORA MARTINS.
Éder Corrêa disse…
Irmão

é algo parecido que tenho pensado ultimamente, pois vejo sempre frases que são incompletas por si só, digamos " Deus é amor ". Há um entendimento pequeno sobre o amor de Deus e as pessoas se limitam a estas frases por serem simples, mas o amor de Deus foi provado. Deus é o amor que se tornou em uma ação para que através do arrependimento fossemos perdoados.


fique com Deus
abraço