Pensamentos: Nietzsche e o Deus morto.



“Deus está morto” disse o filósofo. E está mesmo; na mente do orgulhoso e no coração do quem não crê Ele está morto. Porém em mim Ele vive e através de mim se manifesta, mas para quem não O quer, Ele está morto; não pode fazer nada: não fala, não se mostra, não se mexe, não vê, não escuta. Para o descrente a cruz simboliza o túmulo do Cristo e a certeza de que Ele está morto. Para o crente a cruz simboliza a vitória de Deus sobre a morte. Para o descrente a cruz é o fim, pois ali morreu Deus, já para o crente a cruz é o começo, pois dali ressuscitou Deus.

“Deus está morto” repete-se por aí. O que devo pressupor então: que o homem vive? Se Deus está morto então quem foi ao seu funeral declarar tais palavras se não nós os homens? Cada século possui o seu deicida. Quantos e quantos funerais já foram feitos para enterrar esse Deus que, aparentemente, não morre. Muitos caixões já foram enterrados e muitos túmulos já foram erguidos com a inscrição “aqui jaz Deus”, apenas para no dia seguinte encontrarmos uma tumba aberta e um caixão vazio.

Mas para aquele que não creu e não buscou saber, Deus morreu. Seu túmulo permanece no coração pedregoso daquele que não crê e na mente obscurecida de quem quer vê-lO morto. Mas no coração daqueles que O amam Ele vive.

O homem diz “Deus está morto”, mas Deus diz “O homem está morto” . A quem deveria dar ouvidos? Ao Deus morto ou ao homem morto? Quando damos ouvidos ao homem acabamos matando, não só Deus, mas também todos os outros homens. Quando damos ouvidos a Deus, Ele nos ressuscita, e também a outros homens.

Concluo com isto: que Deus vive. Onde? Em mim, e em todo aquele que é filho. Deus vive na Igreja, e a Igreja são pessoas. É privilégio daquele que é filho de Deus ser Sua morada. Na mente escura e no coração duro de quem se recusa a crer, Deus está morto, mas em mim e por mim, Ele vive.

Por mais que você diga, escreva e repita “Deus está morto. Deus está morto”, em realidade, Ele não está. As suas palavras não têm o poder de matar Deus, o máximo que você pode fazer é matar a Sua voz em sua mente e enterrá-lO em seu coração, para que, do túmulo que você criou, Ele nunca mais se levante (para reinar na sua vida).

“Deus está morto”. Ora, tudo, na verdade, depende daquilo que você chama de vida. Para o que você chama de vida Ele está morto, mas para o que Ele chama de vida, você é quem está morto. Aos seus olhos Ele morreu, mas aos olhos dEle, você morreu. A pergunta agora é: quem enxerga melhor?

Portanto deixe-me corrigir a frase: “Nietzsche está morto”, mas “Deus está vivo”.

Guilherme Adriano

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns pela reflexão. Vou me deter nas minhas palavras, pois vc disse tudo. Que Deus te abençoe.

Eliomar Reis
Secretário do Diabo disse…
Deus está vivo em alguns e morto em outros, como ele poderia ser então unipresente? Onde está a lógica e a razão propagandada aí? Alguns acreditam na figura imaginária chamada "Deus" porque querem, outros não querem simplesmente acreditar - ou não acham razão para isso.
Guilherme disse…
Fácil, Ele também é onipotente, ou seja, respeita a decisão de alguns não quererem ser habitados por Ele, mas em quem quer, faz morada, e para estar presente em todos que querem ser habitados por Ele, deve ser Onipresente, mas para não estar em todo lugar e, ao mesmo tempo, só nos que o desejam, deve ser Onipotente.

Estás cometendo a falácia do espantalho ao se fererir tão simploriamente a respeito dos atributos de Deus.

E existência de Deus não depende de nós acreditarmos n'Ele ou não, ou Ele existe e você está errado, ou Ele não existe e estou errado. A aproximação Freudiana de Deus ser ilusão, por ser tão mal defendida pelo Neoateísmo de Dawkins, está em descrédito.
Chamá-lo de ilusão não prova nada, apenas deixa claro o que você acredita - também tens fé, e muita.

Obrigado pelo comentário.
Don disse…
Primeiramente, a pergunta "Deus está vivo em alguns e morto em outros, como ele poderia ser então unipresente? Onde está a lógica e a razão propagandada aí?" não faz muito sentido. Como assim Deus vivo em alguns e morto em outros? Explique o significado de tal pergunta, porque não é do meu conhecimento que algo assim é falado na Bíblia. Em segundo, começar com a afirmação de que "alguns acreditam na figura imaginária chamada "Deus"", você já faz o seu juízo declarando que sabe o que é Deus, e tal é uma figura imaginária, coisa que eu posso te lembrar que é apenas a sua opinião, visto não termos acesso privilegiado à verdade para que você soubesse em última instância (ou seja, com absoluta certeza) que Deus é apenas uma figura imaginária.