destrua-se hoje mesmo, é fácil!



Um dia escreverei um livro de auto-ajuda de título e subtítulo: Ajude a si mesmo a fazer o que não deve/ 10 passos para se enganar.

Existe um segredo por trás de livros de auto-ajuda: eles criam uma realidade alternativa, uma realidade mais branda e cheia de soluções práticas para problemas rotineiros, e melhor, excluindo a necessidade de qualquer intervenção divina ou mudança de caráter, afirmando que "você é a sua própria verdade", quando na verdade, não estão resolvendo problema algum, apenas estão dando analgésicos psicológicos que dão uma falsa e temporária sensação de alívio, desviando a atenção de um problema grave e ensoberbecendo o homem.

Eles criam uma realidade que foge da realidade humana; uma realidade que faz questão de não lembrar que o homem sabe, muito bem, ser maldoso; uma realidade onde basta apenas “focar seu pensamento” e tudo acontecerá.

Geralmente são baseados na lei de atração da física quântica, “pense forte e materialize a idéia; atraia e concretize o pensamento”.

Mas então, se essas literaturas estiverem certas, vamos todos focar nossos pensamentos e concretizar a idéia de que não há mais fome no Brasil.

- mas isso é praticamente impossível, por mais que você pense nisso, não resolverá o problema da fome, não é disso que a auto-ajuda trata.

Tudo bem, tenho que concordar, estou sendo extremista demais. Mas então, vamos colocar nossas mentes em sintonia e pensar que não há mais ganância no povo brasileiro, pois assim poderemos dar um jeito na fome e ter um país mais justo!

- mas isso é um pensamento ridículo, é óbvio que não é de coisas assim que esses livros tratam, que coisa! temos de ser mais pé-no-chão, assuntos complicados como os de caráter/índole, não se resolvem pensando “forte”.

Tenho que admitir, mais uma vez estou sendo extremista e preconceituoso; mas então vamos pensar firmemente, como se fossemos uma mente universal, e cada pessoa pense de si mesma como alguém caridosa/bondosa/cheia de amor, livre de vícios e da influência de vontades destrutivas, ou melhor, vamos todos pensar juntos que o Estado de SC não sofreu com as tempestades dos últimos meses.

- isso não é possível, e também não é para isso que esses livros servem! O foco é outro!

Mas então eu pergunto, para que servem esses livros?

Para alimentar o ego de alguém provando pela “física quântica” que você pode ter tudo o que desejar? Para ensinar o homem a ser mais ganancioso, mesquinho e soberbo? Talvez sirva como "pain-killer" para uma realidade brutal demais! Talvez seja para libertar o homem da tirania de um deus?

Será que é de auto-ajuda que o homem precisa? Eu acredito que o homem precisa de ajuda do alto! (Essa é velha, mas não podia faltar)

Engraçado que a maioria prefere acreditar em ficção científica do que na existência de um Deus amoroso e que se importa em consertar a criatura que se rebelou; mas claro, a auto-ajuda não pede obediência, é mais conveniente pensar que ela funciona.

Engraçado que essa auto-ajuda ajudou muito os escritores desses livros, mas o pobre coitado, fiél, que compra o livro, lê, acredita e segue, para esse, nada acontece! Será que o coitado não seguiu todos os 12 passos que o livro recomendou?

Para muitos que leem esse blog, não vão entender muito, mas essa é a mesma coisa que se prega hoje em dia em denominações como a “Vida Nova”, “Deus é amor”, “Universal do Reino...” "Renascer", etc...(Não generalizo, pois freqüentei apenas uma filial de cada uma dessas denominações, portanto não estou dizendo que todas são assim, todavia, tenho bons motivos para acreditar que todas sejam iguais mesmo, pois os escândalos e testemunhos contra são muitos).

É exatamente isso aí gente, auto-ajuda entrou nas denominações, e encanta milhões de fiéis que sonham com sua “benção prometida” de Deus (Tudo depende da sua oferta em dinheiro). Eles dizem que se você não conseguir o que sonha, a culpa é sua, você não tem fé suficiente, e creiam-me, usam versículos bíblicos, fora de contexto, para embasar a heresia.

Para quem não conhece, é chamada teologia da prosperidade, freqüente um culto dessas “empresas” citadas acima e você entenderá o que digo.

Conseguiram! Uniram o (in)útil ao (des)agradável, juntaram a auto-ajuda com religião, olha o que aconteceu!
Eu prefiro ler um livro que continua dizendo para mim que a culpa é minha mesmo, que não adianta focar meu pensamento que nada vai mudar enquanto eu não tomar algumas decisões, que diz que o mundo onde vivo é caído, maldoso e pervertido e não tem jeito mesmo, que o ser humano tem um problema, que só há um jeito de resolver esse problema, e, um dia todos prestarão contas de suas vidas. Essa realidade é mais palpável e sensata.

Enquanto uns ficam com segredos misteriosos, códigos indecifráveis, sociedades iluminadas e aprendendo passos para chegar a uma vida melhor, eu prefiro seguir o caminho sensato, humilde e de vida completa que Jesus ensinou, desfrutando do perdão e sabedoria que Ele tem para os homens.

Guilherme Adriano

Comentários

Joannes Ferrari disse…
"Pense forte e materialize a idéia; atraia e concretize o pensamento." e "Ore, com o auxílio de Deus."

Tenho algumas perguntas:

- Se a intenção for boa, se o desejo for humilde, honesto e amoroso... existe alguma diferença entre os dois?

- Se fizermos o bem e formos justos, mas não mencionarmos o nome de Jesus, seremos punidos por Deus por isso?

- Partindo do princípio de que o amor constrói e o ódio destrói: se levarmos uma vida baseada em amor e respeito, precisamos necessariamente usar as palavras "Jesus", "Deus", "Espírito Santo", pra provar que estamos sendo realmente bons? (Considerando também o fato de que todas estas palavras são criações estritamente humanas... e variam de um idioma para o outro). Afinal, a pregação é a acerca do amor, que é um sentimento que não se configura com palavras ou quaisquer outros fatores que apelem aos sentidos físicos.

- A Física Quântica, baseando-me no que tenho estudado, de maneira alguma nega a existência de Deus. Ela apenas se mantém imparcial diante de palavras que possam gerar tendências. Tantas das religiões ao longo tempo, até mesmo antes do cristianismo, que difundem a idéia do bem e do amor, poderiam estar falando dos mesmos preceitos nos quais Cristo baseou sua vida. Deus expulsaria dos portões do céu aqueles que fizessem todo o bem e amassem com fervor em suas vidas, pelo fato de não terem usado a palavra "Deus" ou "Jesus" em suas orações?

- A questão do uno-todo... e algo que nós conversamos há algum tempo sobre [i]imitar Jesus Cristo e seguir os mesmos passos que ele.[/i] Pois então, Jesus, em seu próprio nome em todas as línguas, tem a mensagem: "Eu sou". Pois ele era, ele é. Era um, mas era semelhante a todos e a seu próprio Pai. Falamos de essência pura. Todos os seres vivos de que se tem notícia vivem sob as mesmas condições e submetidos às mesmas leis naturais e universais: gravidade, atração... Não seria arrogante de nossa parte, seres dotados de consciência, julgarmos os outros como certos ou errados por não orarem usando o mesmo termo idiomático que nós? Acrescentando-se que julgar não é um poder nosso.


Com respeito e amor, meu amigo!
Abraço! Jo
Mike disse…
Vi um post seu Guilherme em um forúm evangélico e entrei para conhecer o blog e achei muito legal cara. Várias das suas idéias correspondem a minha maneira de entender a Palavra de Deus e as angústias com o povo evangélico de hoje em dia também parecem parecidas. Gostaria de conhecer mais das suas idéias, sobre temas relevantes como: Denominações, como ser Cristão verdadeiro, obra social, etc... e também poder expressar minhas opiniões. Não está fácil achar pessoas de fé sincera e com um pouco de dedicação ao estudo biblíco nas igrejas atualmente. Quanto ao post em questão, concordo com suas colocações! As "igrejas" contemporâneas se apropriaram não só das técnicas de auto-ajuda, como da espiritualidade desenvolvida em diversas seitas para tentar expor algum poder ou avivamento, da propaganda e do marketing para atrair e controlar as pessoas no mundo gospel e diversas outras táticas.
Mike disse…
Em relação a questão do Joannes Ferrari, gostaria de dar minha opinião. O Joannes pergunta sobre a situação das pessoas que não são cristãs ou que não agem ou falam dizendo-se em nome de Jesus, (que na Bíblia são denominadas de sem lei), em relação a Deus. Estariam estas salvas, condenadas? Existem alguns textos da Palavra de Deus que creio eu nos ajudam a entender a posição bíblica sobre o assunto: Rom 2:11-14 Versão NVI " Pois em Deus não há parcialidade. Todo aquele que pecar sem a lei, sem a lei também perecerá, e todo aquele que pecar sob a Lei, pela Lei será julgado. Por que não são os que ouvem a lei que são justos aos olhos de Deus; mas os que obedecem a lei, estes serão declarados justos. De fato, quando os gentios, que não tem a Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, embora não possuam a lei; " Como vemos, a Bíblia diz que a pessoa que não conhece a lei de Deus, nem seus planos que no caso incluiria o nome de Jesus e do Espiríto Santo, etc... pode ser salva! Desde que cumpra a lei ou vontade de Deus. E a pessoa que conhece a lei de cor e utiliza o nome de Jesus não está apenas por esse motivo salva se não cumprir a lei.

Então o raciocinio que poderiamos chegar é: Então, se posso ser salvo ou aprovado por Deus sem precisar necessariamente conhecer o nome de Jesus, por que deveria me tornar Cristão? Existem alguns motivos fundamentais.

1- É bem mais dificil praticar o que é correto, a lei, se não houver alguém para nos ensinar e nos ajudar nesta caminhada. O Espiríto Santo, A Palavra de Deus e a comunhão com os irmãos fazem toda a diferença.

2- O Bem e o Mal não são tão claros assim! As vezes nos parece fácil dizer o que é certo e o que é errado, porém não é, amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, envolve muitas questões dificeis que precisam ser respondidas corretamente para se cumprir esta tarefa! Uma das coisas mais dificeis é definir com clareza o que é ser Cristão ou obediente a Deus. A nossa familia, a sociedade, a ciência, enfim, costumam predominantemente nos dar direções erradas nesse sentido. Bom, resumidamente é isso. Espero ver as opiniões de vocês também nesse tema complexo.
Joannes Ferrari disse…
Mike,

Obrigado pela preocupação e atenção ao responder!

Realmente, este é um ótimo ponto: o da Lei que é a Lei definitiva e imutável. Concordo que há uma enorme falta de clareza sobre o que é certo ou errado, de acordo com o seu tópico 2: e isto se complica mais ainda quando da chuva de informações que recebemos nesses dias. Somos submetidos a tanto modelos de conduta, em uma única semana por exemplo, que fica difícil realmente discernir entre os caminhos morais, fazendo com que um "manual de instruções" seja de extrema necessidade. E mais a fundo, não há nada de imperfeito na mensagem bíblica, não se pode achar contradições desde que se interprete de maneira correta, pois acredito que ali estão contidos textos certeiros a respeito da complexa gama de escolhas que temos.
Anônimo disse…
Não esperava ouvir críticas a teologia da prosperidade em um blog evangélico, parabéns! E desculpe pelo preconceito...

Na minha opinião há muita obscuridade na bíblia, muitos pontos cegos, muitas idéias sem aparente fundamento... Como o próprio Mike disse: "É bem mais dificil praticar o que é correto, a lei, se não houver alguém para nos ensinar e nos ajudar nesta caminhada" Por que escrever algo tão subjetivo que vá denotar a necessidade de outro ser humano (tão limitado quanto eu) para me "ensinar a entender"?

Mas sei lá, toda vez que eu faço uma pergunta sobre a fé de outra pessoa mentalmente eu me dou a resposta de que se ela se sente bem acreditando que assim seja... A vida é um mistério grandioso aos nossos olhos limitados... Acreditar é tudo que podemos, seja na religião ou na ciência, na existência ou na não existência de Deus... Só opiniões diferentes, que carecem de provas...

Flávio
Anônimo disse…
Bom... já faz um tempo que vi esse post, mas heis que ganho um livro de auto-ajuda e, logo lembrei dos teus comentários Guilherme. Resolvi reler o que você escreveu. Digo o seguinte, odeio literalmente livros de auto-ajuda. Na Bíblia vemos que o ideal é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.
Quando nos deparamos a um auto-ajuda, qual é a real intenção do texto? Resp. Dar ao leitor téctinas de beneficiar o seu próprio ser. Além de tudo, são técnicas errôneas. Através do egoísmo do homem, por ansiar o próprio bem, em geral, através de conquistas por bens materiais,é que ocorrem os best sellers de auto-ajuda.
Mas a questão é, por que tais livros não ajudam em nada? A resposta é mais do que obvia. Ninguém que se coloca a frente de tudo consiguirá tudo.
Aí também surgem os livros que querem dar apoio emocional as pessoas. Fala sério meu, o ser humano só precisa de um único apoio, encontrar a palavra a certa. Não esses livrinhos pobres, que ao meu ver não agregam valor algum. Me desculpem os que curtem esse tipo de literatura, mas fico indignada com isso.